China constrói hospital em 5 dias após aumento de casos de vírus

A China, que em grande parte conteve a propagação do coronavírus, sofreu centenas de infecções este mês em Nangong e na capital da província de Hebei, Shijiazhuang, a sudoeste da capital chinesa.

O hospital é um de seis, com um total de 6.500 quartos sendo construídos em Nangong, na província de Hebei. (Imagem Representacional / Reuters)

No sábado, a China concluiu a construção de um hospital com 1.500 quartos para pacientes da Covid-19 em cinco dias para combater o aumento de infecções em uma cidade ao sul de Pequim, informou a mídia estatal.

O hospital é um de seis com um total de 6.500 quartos sendo construídos em Nangong, na província de Hebei, disse a agência de notícias Xinhua. Todos devem ser concluídos na próxima semana.

A China, que em grande parte conteve a propagação do coronavírus, sofreu centenas de infecções este mês em Nangong e na capital da província de Hebei, Shijiazhuang, a sudoeste da capital chinesa.

Nesta foto divulgada pela Agência de Notícias Xinhua da China, os trabalhadores começam a construir um local de isolamento médico que, de acordo com a mídia estatal, cobrirá 33 hectares e terá espaço para vários milhares de pessoas em Shijiazhuang, na província de Hebei, no norte da China, quinta-feira, 14 de janeiro 2021. (Xinhua via AP)

Um programa semelhante de construção rápida de hospitais foi lançado pelo Partido Comunista no governo no início do surto no ano passado para instalar hospitais de isolamento em Wuhan, a cidade central onde o vírus foi detectado pela primeira vez no final de 2019.

Em todo o país, a Comissão Nacional de Saúde relatou 130 novos casos confirmados - 90 deles em Hebei - nas 24 horas até a meia-noite de sexta-feira.

Foram 645 casos, dois deles adquiridos no exterior, em tratamento em Nangong e Shijiazhuang, segundo a Xinhua.

Em Shijiazhuang, as autoridades concluíram a construção de um terço dos quartos em uma instalação planejada para coronavírus de 3.000 quartos, disse a TV estatal no sábado.

Mais de 10 milhões de pessoas em Shijiazhuang foram submetidas a testes de vírus na sexta-feira, disse a Xinhua, citando um vice-prefeito, Meng Xianghong. Segundo a agência, 247 casos transmitidos localmente foram encontrados.

Enquanto isso, pesquisadores enviados pela Organização Mundial de Saúde estão em Wuhan se preparando para investigar as origens do vírus. A equipe, que chegou na quinta-feira, está em quarentena de duas semanas, mas deve conversar com especialistas chineses por meio de um link de vídeo.

A chegada da equipe foi retida por meses por disputas diplomáticas que geraram uma rara reclamação pública do chefe da OMS.

Esse atraso e as ordens secretas do partido governante aos cientistas para não falarem publicamente sobre a doença levantaram questões sobre se Pequim poderia tentar evitar descobertas que prejudicariam sua autoproclamada posição de líder na batalha antivírus.