Erdogan diz que a Turquia planeja comprar mais sistemas de defesa russos

As negociações continuaram entre a Rússia e a Turquia sobre a entrega de um segundo lote, que Washington disse repetidamente que quase certamente desencadearia novas sanções.

O presidente turco, Tayyip Erdogan, fala durante a 76ª Sessão da Assembleia Geral na Sede da ONU em Nova York. (Reuters)

O presidente Tayyip Erdogan disse que a Turquia ainda pretende comprar um segundo lote de sistemas de defesa antimísseis S-400 da Rússia, uma medida que pode aprofundar um conflito com Washington, aliado da Otan e desencadear novas sanções dos EUA.

Washington diz que os S-400 representam uma ameaça aos seus caças F-35 e aos sistemas de defesa mais amplos da OTAN. A Turquia diz que não foi capaz de adquirir sistemas de defesa aérea de nenhum aliado da Otan em termos satisfatórios.

No futuro, ninguém será capaz de interferir em termos de que tipo de sistema de defesa adquirimos, de que país em que nível, disse Erdogan em uma entrevista que foi ao ar no jornal Face the Nation da CBS News no domingo. Ninguém pode interferir nisso. Somos os únicos a tomar essas decisões.

Os Estados Unidos impuseram sanções ao Diretório da Indústria de Defesa da Turquia, seu chefe, Ismail Demir, e três outros funcionários em dezembro, após a aquisição de um primeiro lote de S-400 pelo país.

Leitura|Turquia começa a receber mísseis russos em desafio aos EUA e OTAN

As negociações continuaram entre a Rússia e a Turquia sobre a entrega de um segundo lote, que Washington disse repetidamente que quase certamente desencadearia novas sanções.

Instamos a Turquia, em todos os níveis e oportunidades, a não manter o sistema S-400 e a se abster de comprar qualquer equipamento militar russo adicional, disse um porta-voz do Departamento de Estado quando questionado sobre os comentários de Erdogan.

Continuamos a deixar claro para a Turquia que qualquer nova compra significativa de armas russas correria o risco de desencadear sanções CAATSA 231 separadas e adicionais às impostas em dezembro de 2020, acrescentou o porta-voz, referindo-se à Lei de Combate aos Adversários da América por meio de Sanções de 2017.

Leia também|A Turquia diz que comprou S-400 russos para usá-los, não para colocá-los de lado

O porta-voz disse ainda que os Estados Unidos consideram a Turquia um aliado e amigo e buscam formas de fortalecer sua parceria, mesmo quando discordamos.

Erdogan se encontrará com o presidente Vladimir Putin na Rússia na quarta-feira para discutir questões como a violência no noroeste da Síria.

Erdogan também disse que o presidente dos EUA, Joe Biden, nunca levantou a questão do histórico de direitos humanos da Turquia, visto como extremamente problemático por grupos de defesa dos direitos internacionais, confirmando a reportagem da Reuters no início de setembro.

Questionado se Biden levantou a questão durante sua reunião de junho, paralelamente a uma cúpula da OTAN em Bruxelas, Erdogan disse: Não, não o fez. E porque não temos problemas dessa natureza em termos de liberdades, a Turquia é incomparavelmente livre.

A Turquia está entre os principais carcereiros de jornalistas, de acordo com dados do Comitê para a Proteção dos Jornalistas (CPJ), enquanto a Human Rights Watch afirma que o regime autoritário de Erdogan foi consolidado pela aprovação de uma legislação que viola as obrigações internacionais de direitos humanos.