Como a estrutura familiar pode afetar a saúde geral de uma criança

Os pais e outros membros da família devem tomar conhecimento e trabalhar no sentido de preencher quaisquer lacunas na estrutura familiar que possam ter um efeito adverso no desenvolvimento da criança.

saúde da família, dicas para paisA família desempenha um papel crucial na saúde emocional e cognitiva da criança. (Fonte: Getty Images)

Por Karishmma V Mangal

O papel da família no desenvolvimento desses vários indicadores da saúde da criança, especialmente durante os anos de formação, é crucial. O eventual progresso das crianças em adultos bem-sucedidos é em grande parte atribuído ao seu talento inato, aos institutos educacionais dos quais desistiram, bem como à sua propensão para trabalhar duro. No entanto, a contribuição da estrutura familiar de uma pessoa para a saúde geral de uma criança é muitas vezes subestimada.

Saúde não significa apenas saúde física. Nesse contexto, a saúde inclui outros aspectos como emocionais, sociais e cognitivos. O papel da família no desenvolvimento desses vários indicadores da saúde da criança, especialmente durante os anos de formação, é crucial.

Saúde emocional

Uma gama de emoções como empatia, confiança, compaixão, conforto e segurança são desenvolvidas em uma criança devido ao seu vínculo com o cuidador. À medida que as crianças crescem, aprendem a comunicar emoções de maneira saudável, principalmente observando seus familiares. Ao fazerem coisas juntos, os membros da família aumentam o desenvolvimento emocional das crianças. Em tais famílias, as chances de as crianças sofrerem de sofrimento emocional são baixas.

Com o tempo, essas crianças tendem a ter um QE mais alto. Vários estudos têm mostrado que ter um quociente emocional mais alto aumenta as chances de obter sucesso profissional e desfrutar de relacionamentos interpessoais.

Saúde social

As crianças que têm um ambiente agradável em casa tendem a desenvolver relacionamentos sociais fortes à medida que crescem. Anteriormente, acreditava-se que fortes habilidades sociais se desenvolvem naturalmente. No entanto, a ideia de que as habilidades sociais devem ser aprendidas está gradualmente ganhando reconhecimento. Um vínculo familiar positivo e vocal desempenha um papel importante na melhoria do comportamento social da criança. Habilidades sociais também podem ser ensinadas por membros da família. Quando incentivam o bom comportamento, o mesmo é reforçado entre as crianças.

À medida que uma criança interage com diferentes membros da família, ela capta nuances de como os indivíduos de todas as idades e gêneros se comportam. A criança acaba não apenas interagindo adequadamente com outros adultos, mas também consegue ser amigável com outras crianças.

Também foi levantada a hipótese de que as crianças imitam o que observam em seu ambiente imediato. Crianças expostas a melhores cuidados infantis, acesso a serviços essenciais, oportunidades recreativas e educação de alta qualidade acabam com melhores resultados de desenvolvimento.

Saúde física

As habilidades motoras das crianças são desenvolvidas durante a primeira infância. O incentivo dos pais e outros membros da família desempenha um papel fundamental no aprendizado do bebê a andar e correr. Até atividades como segurar uma colher, empurrar objetos, etc, ajudam a criança a desenvolver confiança.

Uma família que é progressista e economicamente estável também entenderia a importância de uma dieta equilibrada e holística. De acordo com os dados mais recentes fornecidos pela Pesquisa Nacional de Saúde, 36 por cento das crianças indianas estão abaixo do peso e 38 por cento são raquíticas. A falta de nutrientes adequados na dieta de uma criança pode ter consequências a longo prazo. Por exemplo, a deficiência de proteína não afeta apenas o crescimento físico, mas também o desenvolvimento cognitivo.

Saúde cognitiva

As crianças que se envolvem em boas relações sociais tendem a ter um bom desempenho acadêmico. A estabilidade residencial produz crianças com probabilidade de frequentar a escola um número maior de vezes do que aquelas de lares menos estáveis.

Crianças separadas dos pais ou da família sofrem danos neurológicos que podem durar por toda a vida. Essas crianças podem pontuar mais baixo em testes de QI, seu sistema de luta ou fuga ficaria permanentemente quebrado e elas não responderiam a situações estressantes. Infelizmente, ao contrário de outras partes do corpo, a maioria das células do cérebro não consegue se regenerar. Separar o cuidador e o receptor do cuidado prejudica o vínculo mais primordial entre dois seres humanos.

Em uma casa com uma criança, o bem-estar desta última deve ser primordial. Os membros mais velhos da família devem perceber que, se houver deficiências em qualquer um dos diferentes indicadores de saúde descritos acima, os efeitos dos mesmos podem ser sentidos mesmo quando a criança cresce e se torna um adulto. Os pais e outros membros da família devem tomar conhecimento e trabalhar no sentido de preencher quaisquer lacunas na estrutura familiar que possam ter um efeito adverso no desenvolvimento da criança. Todos esses fatores desempenharão um papel crucial para permitir o desenvolvimento abrangente de uma criança.

(O escritor é o Diretor e Curador da Thakur International School – Cambridge.)