Japão vai proibir a entrada de muitos estrangeiros para combater o vírus

Cidadãos japoneses e estrangeiros com residência que estejam retornando de pequenas viagens de negócios não estarão mais isentos da quarentena de 14 dias, de acordo com o comunicado de sábado.

Japão vai proibir a entrada de muitos estrangeiros para combater o vírusNo Aeroporto Internacional de Kansai em Osaka, Japão (The New York Times / Arquivo)

O governo japonês vai proibir a entrada da maioria dos estrangeiros até o final de janeiro, já que os casos de coronavírus atingem níveis recordes lá e o país confirmou seus primeiros casos da nova cepa Covid, mais infecciosa.

As restrições serão implementadas na segunda-feira, disse o governo em um comunicado. Cidadãos japoneses e estrangeiros com residência que estejam retornando de pequenas viagens de negócios não estarão mais isentos da quarentena de 14 dias, de acordo com o comunicado de sábado.

A mudança ocorre em meio a preocupações crescentes com a disseminação de uma nova variante do vírus em um momento em que os casos em Tóquio atingiram novos níveis. A variante, que surgiu no sudeste da Inglaterra em setembro e está se espalhando rapidamente no Reino Unido, é muito mais infecciosa do que as cepas anteriores. Alemanha, França, Suíça, Irlanda e Suécia estão entre as nações que confirmaram a presença da nova variante.

No sábado, a capital do Japão relatou um recorde de 949 novos casos, com relatórios dizendo que mais duas pessoas, além de cinco confirmadas na sexta-feira, foram infectadas com a nova cepa. A governadora Yuriko Koike disse que o período do feriado de Ano Novo seria um momento muito importante que preveria o futuro de Tóquio em 2021 e pediu aos residentes que evitassem sair durante as férias.

As restrições de viagens do Japão seguem medidas tomadas por outros países em seus esforços para conter a propagação do vírus, com análises iniciais sugerindo que a nova variante pode ser até 70% mais transmissível do que outras cepas circulantes.

Os EUA exigirão que os passageiros que voam do Reino Unido apresentem prova de teste negativo para coronavírus a partir de 28 de dezembro, enquanto regiões de Hong Kong ao Canadá suspenderam temporariamente as viagens do Reino Unido.