Parlamento da Romênia aprova novo governo

Cerca de 260 legisladores na assembléia de duas câmaras da Romênia, com 465 assentos e duas câmaras, votaram na quarta-feira a favor do novo governo, enquanto 186 votaram contra.

notícias da romênia, novo primeiro-ministro da romênia, florin citu, ludovic obran, partido nacional liberal da romênia, partido socialista democrático da romênia, notícias do mundo expresso indiano, notícias do mundoO primeiro-ministro romeno, Florin Citu, chega para a cerimônia de juramento de seu gabinete no Palácio Presidencial Cotroceni, em Bucareste, Romênia, na quarta-feira. (AP)

O parlamento da Romênia aprovou na quarta-feira um novo governo liberal e primeiro-ministro, mantendo fora do poder um partido populista de esquerda que conquistou a maioria dos votos nas eleições parlamentares no início deste mês.

Cerca de 260 legisladores na assembléia de duas câmaras da Romênia, com 465 assentos e duas câmaras, votaram na quarta-feira a favor do novo governo, enquanto 186 votaram contra.

O ex-banqueiro de investimentos e ministro das finanças Florin Citu se tornou o novo primeiro-ministro em um momento em que a Romênia está lutando contra a pandemia de coronavírus em curso e suas consequências econômicas.

Garanto-lhe que não vou enganar a sua confiança, disse Citu ao parlamento. Faremos tudo o que estiver ao nosso alcance para atingir os dois objectivos: superar a crise da saúde o mais rapidamente possível e colocar a economia de novo em pé. Citu foi economista do banco central da Nova Zelândia e do Banco Europeu de Investimento antes de entrar na política em 2016. Ele estudou nos EUA.

Ele é do Partido Liberal Nacional (PNL), cujo líder e ex-primeiro-ministro Ludovic Orban renunciou após a votação de 6 de dezembro. Citu foi apoiado por mais três partidos, o que lhe deu a maioria no parlamento de duas câmaras da Romênia.

O Partido Socialista Democrático (PSD), da oposição, obteve a maioria dos votos nas eleições, cerca de 30 por cento. Mas não conseguiu reunir o apoio de mais da metade dos legisladores na assembleia para formar um governo.

O PSD, que detinha o poder antes do atual governo, enfrentou acusações de populismo e corrupção que desencadearam meses de protestos de rua antes de a PNL assumir, há um ano.